Sul de Minas terá usina para beneficiamento de lixo com geração de energia elétrica

18 abr
2017
Compartilhe:

Município de Boa Esperança (MG) deverá ganhar em breve usina que irá gerar energia elétrica a partir do lixo. O projeto, comandado por Furnas Centrais Elétricas, já teve sua 1ª fase concluída após testes realizados em uma planta experimental em Mauá, no interior de São Paulo. O próximo passo agora é a construção da usina no Sul de Minas, que terá capacidade de 1 MW e será interligada com a rede da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Segundo Furnas, a energia será gerada por meio de um processo que vai utilizar a gaseificação a leito fluidizado, uma tecnologia 100% nacional.

“Esse é um projeto que usa a tecnologia de gaseificação, que é bastante diferente da incineração. A taxa de poluentes é muito baixa, é uma tecnologia que a gente entende que consegue dar destino para todos os resíduos sólidos de uma maneira geral e através do gás produzido, gerar a energia elétrica. O lixo é um combustível para o nosso processo a partir de agora. Esse processo já foi validado em uma primeira fase em uma planta reduzida de um parceiro e agora vamos partir para uma fase de tentar uma escala maior, com volumes maiores, se aproximando de um modelo real, com toda a dinâmica de coleta e catação de resíduos”, diz Nélson Araújo dos Santos, gerente de pesquisa e desenvolvimento de Furnas.

Com a instalação da usina, todo o lixo depositado no aterro sanitário da cidade e os novos resíduos que forem recolhidos no município servirão de combustível para a geração de energia elétrica. A planta da usina ocupará uma área de 7,8 mil metros quadrados, que está sendo cedida pela Prefeitura de Boa Esperança. O custo total do projeto é de R$ 32 milhões e a previsão é que ela seja entregue ainda neste ano e comece a operar em até 18 meses. Quando ativa, a usina poderia gerar o correspondente a 25% de toda energia elétrica utilizada no município. Embora a quantidade de funcionários necessários para a operação da usina seja pequena, em torno de oito pessoas, uma das ideias é que catadores, que hoje trabalham no aterro sanitário fazendo a coleta do lixo, possam fazer o mesmo trabalho dentro da usina que será construída.

“Será feito um trabalho de treinamento junto com a prefeitura para a mão de obra que vai operar a usina. A ideia é utilizar pessoas da comunidade ou antigos catadores, pegar pessoas que venham sendo afetadas por esse processo e trazê-las para uma situação melhor. Mesmo com a usina, o processo dos catadores é importante, para a pré-seleção. Mas ao invés de trabalhar no lixão, elas agora vão trabalhar nas usinas fazendo um processo de reciclagem prévio”, diz o superintendente de Furnas.

A princípio, toda a energia gerada pela nova usina será utilizada pelo município para abastecimento de prédios públicos. Mas, o restante, conforme Furnas, poderá ser comercializado, já que a usina estará interligada à rede da Cemig. Boa Esperança foi escolhida para abrigar a primeira unidade após estudo técnico feito por uma universidade do Rio de Janeiro e também devido à proximidade com a hidrelétrica e o reservatório de Furnas. Mas a intenção é que o projeto se expanda e outras usinas do tipo possam ser construídas em outras cidades.

“Com essa tecnologia, essa será a primeira do país. A gente espera que essa usina venha atender todas as nossas expectativas e se concretizando isso, que ela vire um modelo de negócio para o futuro”, conclui Moreira.

(Leia artigo original)

Freesolo
autor

Corporativo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *